A campanha mentirosa contra o Marco Civil. A quem interessa?

Tem gente fazendo campanha contra o Marco Civil, construindo até ferramentas de rede e propondo ações de pressão sobre os parlamentares para isso, usando os argumentos mais estapafúrdios como o de que regulamentação da guarda de logs seria um forma de o governo rastrear toda a atividade dos cidadãos na Internet.
Pois, saiba você querido amigo indignado com tudo que costuma a cair nessas ficções, que na Internet, pelas próprias características TÉCNICAS da Rede, tudo que você faz pode ser rastreado e que esses dados, os chamados logs, já são gravados nesse momento por provedores de acesso e de conteúdo.

Hoje, no Brasil, não há nenhuma regra para a guarda e para o uso desses dados. As corporações é que decidem o que guardam, como guardam e o que fazem com tais dados. O Marco Civil traz uma normatização para isso, garantindo que tais dados sejam guardados por um determinado tempo, sejam tratados com segurança e privacidade.

Isso é desejável, uma vez que a partir da sua aprovação saberemos como nossos dados serão tratados.

Fica evidente que esse tipo de argumento contra o Marco Civil vem de gente de má fé, patrocinados por interesses sabe-se lá quais. É evidente que tais articulações, com a construção de ferramentas, contratação de domínios e elaboração de estratégias de pressão não são espontâneas, como querem parecer. Quem age assim acaba fazendo o jogo dos lobbies de corporações e políticos contrários ao Marco Civil, mesmo que não tenham ligação direta com estes, o que é difícil de acreditar.

O pior é que gente de boa fé cai nesse tipo de argumento que tem forte apelo emocional, que toca em possíveis teorias da conspiração que povoam o inconsciente coletivo e que têm grande adesão na Internet. É importante esclarecer, informar, discutir, para que possamos ganhar essa batalha.