Mais informações!

Sabe o que eu não gosto nesses vazamentos tipo do #WikiLeaks e do #Snowden mediados pela midiaZona? É que, devido às relações políticas desta, há sempre uma filtragem no que é publicado. A informação, que pode ser libertadora, passa pelo crivo de intermediários cercados por toda uma rede de interesses e subjetividades antes de ser difundida.

Prova maior disso é a revelação, feita por Snowden, de que os serviços de inteligência dos EEUU e Reino Unido conseguem quebrar a criptografia das comunicações da Internet. O The New York Times, por exemplo, foi pressionado pelo lobby das agências para não publicar a informação. O fez, o que é um ponto positivo para o Jornal. Mas, várias informações vazadas, como que tipo de criptografia as agências conseguem quebrar – informação que seria importante para os cidadãos ameaçados pela vigilância terem para se proteger – não foi publicada por nenhum dos veículos que tiveram acesso aos documentos.

Prefiro a adoção de medidas de transparênci que tenho visto no WikiLeaks nos últimos tempos, onde suas agências parceiras divulgam, alem do trabalho de jornalismo investigativo, os documentos vazados em estado bruto, para que os cidadãos possam ter acesso às informações contidas neles e fazer suas próprias narrativas, alem de obter informações que podem ser a fronteira entre a liberdade e a opressão.