Tecer

Mais uma vez me foi permitido continuar tecendo essa vida. Para quem conhece de perto minha história, sabe que se ela tem um nome é recomeço.
É uma dádiva poder tecer e continuar tecendo, é uma dádiva poder continuar.
A vida da gente é algo parecido com um tecer de pessoas, coisas, tempos, lugares. É desse movimento que nos alimentamos, que alimentamos nossa alma. Vamos tecendo fios e, por muitas vezes, emendamos um fio no outro, criando um vértice, um encontro, um instante, uma possibilidade. As vezes criar esses nós fica mais difícil devido aos obstáculos no caminho. As vezes esses obstáculos parecem intransponíveis fazendo com que a gente recue e procure fazer outro nó em lugar mais viável.
Eu já tive que recuar algumas vezes e recomeçar o tecer em novo lugar. Agradeço, a cada dia, a oportunidade de continuar tecendo, nesse caminho não progressivo, a minha vida e agregando à minha teia as coisas que eu amo.
Sei que muitos não acreditam e acho legítimo esse não acreditar. Mas, diante das minhas experiências, diante da minha construção, não posso deixar de agradecer ao suporte desta teia, algo que é maior que todos nós e que dá suporte aos nossos fios, algo que alguns chamam de Deus e outros de tantos outros nomes, cada um com sua verdade, particular, privada, mas todas verdadeiras, pois criadas a partir da construção da teia de cada um.
Obrigado também aos meus nós, aos amigos queridos dessa e de outras batalhas, desde minha filha, minha esposa, meus pais, minha irmã, meus amigos mais íntimos até os colegas mais distantes, sem que isso obedeça a uma ordem de importância, uma escala que não caberia na teia, pelo menos não na minha.
A construção ainda não acabou e nem poderia acabar agora. Continuaria de qualquer jeito, nesse ou em outro ponto. Mas agradeço por poder continuar tecendo esses fios aqui com vocês.
Obrigado a todxs por me ajudarem a construir e a continuar construindo esse emaranhado. Obrigado por fazerem parte desta teia.