Transformaram sua Internet em TV a cabo e você nem percebeu

neutralidadeScreenshot_2014-01-07-14-23-59-1A neutralidade da Rede já era.

E eles, para dizer que isso é bom, fazem acordos com grandes redes sociais para dar acesso “gratuito” à estas (que cobram de você o preço de ter sua privacidade devassada sob o disfarce de serviço gratuito).

Como você vê na imagem (ela foi postada pelo @eliaspraciano no Facebook), se você for acessar qualquer outro serviço que não a rede social supostamente gratuita, terá que pagar.

Outro exemplo: você entra “gratuitamente” no site do jornalão que tem contrato com as teles, e que está pagando uma grana para fazer esta parceria, seja com grana mesmo ou na forma de serviços como propaganda em seu espaços. Mas, para entrar num blog como este que você está lendo agora, que não tem acordo com sua operadora e nem grana para fazer isso, terá que pagar pelos dados trafegados.

Isso vai acabar com a liberdade na Internet. Fará com que só os serviços das grandes corporações sejam acessados, pois estas terão acordos com as teles, enquanto que toda diversidade da Rede ficará disponível apenas para quem pagar pelo conteúdo.

“Ah, mas hoje pagamos por tudo!”, você pode se questionar.

Só que esse serviço “grátis” será cobrado de você, na forma de pacotes de dados cada vez mais caros. Ou você acha que eles irão fazer isso para perder? Eles arrecadarão nas duas pontas, cobrando dos serviços (rede sociais, portais, mensageiros instantâneos…) para que tenham seu acesso facilitado, e de você, na outra ponta, cobrando pacotes de dados cada vez mais caros e limitados. E você terá que inevitavelmente pagar em algum momento pelos dados, uma vez que os serviços disponíveis para você em sua operadora não serão necessariamente os mesmos disponibilizados pela operadora de seus contatos. Você não poderá simplesmente baixar um aplicativo novo para falar com seus amigos que aderiram a ele. Você terá que ver se sua operadora tem acordo com este aplicativo e, caso não tenha, ver se compensa pagar pelos dados que ele usará para fazer a comunicação com seus amigos. Enfim, sua liberdade terá preço e um preço bem salgado.

Enfim, a neutralidade da Rede é fundamental. Sem ela, teremos o fim da Internet como a conhecemos e acabará o que há de mais benéfico nela: a liberdade de escolher entre serviços e de produzir e disponibilizar serviços também, sem ter que fazer acordo ou contrato com ninguém. É de liberdade que estamos falando.

Sem a neutralidade garantida de forma muito clara teremos modelos de negócios das teles fatiando nosso acesso, com “pacotes básicos” com alguns “canais” dos serviços parceiros com acesso um pouco mais liberado – o que cria oligopólios como temos hoje na TV, já que privilegia e garante acesso só a alguns serviços de algumas corporações – e pacotes adicionais para cada coisa que quisermos acessar. É como acontece na TV a cabo, sendo os pacotes para serviços adicionais cada vez mais caros e impeditivos, gerando desigualdade entre quem pode ou não pagar.

Atualização:

Adicionei uma nova imagem, dessa vez capturada por mim, que mostra que eles avançam em seus acordos, estendendo esses a outras redes sociais de corporações gigantes e criando um oligopólio de serviços dessas corporações na Internet que tem como sua principal e mais fantástica característica, justamente, ser diversa.